Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí-RS [Criação do Site - 05/01/2005] - [Última Atualização - 22/10/2017]

Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí/RS
www.auxiliofraternidade.com.br


Artigos


Necessidade de Vigilância


 



Clara Lila Gonzales de Araújo


Essa passagem de Jesus, ocorrida no horto de Getsêmani, no Monte das Oliveiras, também registrada em Marcos (14:38) e Lucas (22:46), tem sido ressaltada pelos Espíritos superiores, ao avaliarem o grau de imperfeição que nos caracteriza o ser, a cada oportunidade de encarnação. Afirma o Espírito Emmanuel, a esse respeito:


As mais terríveis tentações decorrem do fundo sombrio de nossa individualidade. [...] Renascemos na Terra com as forças desequilibradas do nosso pretérito para as tarefas do reajuste. Nas raízes de nossas tendências, encontramos as mais vivas sugestões de inferioridade. [...]1


Jesus nos fala a respeito das tentações e da vigilância em outros ensinamentos, por exemplo, ao ser transportado por um Espírito maléfico ao pináculo do templo e, depois, ao cume de uma montanha, sendo importunado pelo gênio perverso que, desejando tentá- lo, oferece-lhe todos os reinos do mundo e a glória que os cerca em troca de sua lealdade e adoração às forças do mal (Mateus, 4:1 a 11; Marcos, 1:12 e 13; e Lucas, 4:1 a 13). O episódio é citado em A gênese com a explicação de Allan Kardec de que o importante preceito não teria sido compreendido na sua qualidade, tendo a credulidade pública o interpretado, apenas, como fatos materiais. A análise, contida na obra citada, foi extraída da instrução dada pelo Espírito João Evangelista, recebida em Bordeaux, no ano de l862, conforme trecho que se segue:


Jesus não foi arrebatado. Ele apenas quis fazer que os homens compreendessem que a Humanidade se acha sujeita a falir e que deve manter-se sempre vigilante contra as más inspirações a que, pela sua natureza fraca, é impelida a ceder. A tentação de Jesus é, pois, uma figura e fora preciso ser cego para tomá-la ao pé da letra. [...] O Espírito do mal não teria nenhum poder sobre a essência do bem. [...]2


Inúmeras lições de Jesus chamam a nossa atenção para não sermos tentados. Podemos avaliá- -las do ponto de vista humano, pois a expressão tentação, para nós, significa problemas a enfrentar na luta pessoal por nós travada para aquisição dos bens que o mundo nos oferece, a qual é aspiração justa para a concretização de uma vida melhor, e das situações vividas ao lado daqueles que nos rodeiam. No entanto, há certos gozos materiais que podem levar- nos a cometer excessos, o que Deus permite para testar a nossa conduta:


Para estimular o homem ao cumprimento da sua missão e também para experimentá-lo por meio da tentação.3


O Criador nos testa a razão e nos preserva dos descomedimentos para não sermos vítimas de circunstâncias alheias à nossa vontade, fruto das opções equivocadas que nos agradam. A liberdade consiste exatamente em escolher o que nos atrai e influencia.


Possuímos compreensão do nosso estado moral e das decisões que tomamos, de acordo com os motivos de nossa preferência, mas que nem sempre poderão nos beneficiar espiritualmente? Que justificativa buscar para as infrações às leis morais que cometemos?


Ao discorrer sobre o Resumo teórico do móvel das ações humanas, Kardec analisa a questão do livre- -arbítrio:


Sem o livre-arbítrio o homem não teria nem culpa por praticar o mal, nem mérito em praticar o bem. Isto é de tal modo reconhecido que a censura ou o elogio, em nosso mundo, são feitos à intenção, isto é, à vontade. Ora, quem diz vontade, diz liberdade. O homem, portanto, não poderá buscar no seu organismo físico nenhuma desculpa para os seus delitos, sem abdicar da razão e da sua condição de ser humano, para se equiparar aos animais. [...]4


Outras ideias referentes ao tema são desenvolvidas no resumo da questão 872, de O livro dos espíritos, citado anteriormente, sobretudo ao destacar o conceito de fatalidade. Para o Espiritismo, a fatalidade “existe na posição que o homem ocupa na Terra e nas funções que aí desempenha”,4 concorde com o gênero de existência que o Espírito escolheu para si, de prova, expiação ou missão. Desse modo, sofremos, fatalmente, certos infortúnios a cada vinda ao corpo de carne e experimentamos os efeitos das tendências boas ou más que nos são peculiares. Nesse ponto, porém, acaba o inevitável, pois da nossa vontade depende ceder ou não a essas inclinações:


[...] Pode deixar de haver fatalidade no resultado de tais acontecimentos, visto depender do homem, pela sua prudência, modificar o curso das coisas. Nunca há fatalidade nos atos da vida moral.4


É fácil avaliar a situação moral em que nos encontramos, especialmente se identificarmos os vícios de que porventura não estejamos completamente libertos.


[...] nós os conhecemos pelas nossas tendências atuais, e para elas é que devemos voltar todas as atenções. Basta saber o que somos, sem que seja necessário saber o que fomos.5


Sem o desejo sério de nos melhorarmos, não tomaremos cuidado na urgência da essencial vigilância. Preocupado com o futuro de seus discípulos, por estar próximo ao termo de sua passagem pelos caminhos terrenos, Jesus diz para Pedro, no expressivo diálogo que manteve com ele, narrado na belíssima obra Boa nova:


[...] A criatura na Terra precisa aproveitar todas as oportunidades de iluminação interior, em sua marcha para Deus. Vigia o teu espírito ao longo do caminho. Basta um pensamento de amor para que te eleves ao Céu; mas, na jornada do mundo, também basta, às vezes, uma palavra fútil ou uma consideração menos digna para que a alma do homem seja conduzida ao estacionamento e ao desespero das trevas, por sua própria imprevidência! Nesse terreno [...], o discípulo do Evangelho terá sempre imenso trabalho a realizar [...].6


A tentação, portanto, constitui um ato moral e a vigilância é consequência do esforço que fazemos, de modo a conquistar a humildade, o desinteresse e a renúncia de nós mesmos. Entretanto, nem sempre conseguimos vencer intimamente. As dificuldades a enfrentar se originam, principalmente, de não sabermos distinguir as manifestações do nosso intelecto, que funcionam como auxiliar na reforma íntima, das demonstrações dos sentimentos, das emoções e do estado psíquico em geral, que afetam a nossa estabilidade interior. A renovação efetiva depende da disposição total do Espírito no aproveitamento de todas as suas possibilidades, na busca de novas maneiras de ser, de pensar, de agir, em substituição às vivências adquiridas em suas existências anteriores. Quantos de nós, intelectualmente favorecidos pela razão e pelo saber, não conseguimos vencer as lutas morais oferecidas pela misericórdia divina, por não aceitarmos as verdades eternas do Evangelho de Jesus que, se aplicadas, poderiam amenizar os sofrimentos e as decepções dos tempos atuais? Se todos os homens pensassem de forma consciente em Deus, não cometeriam tantos erros! Em nota a uma das questões de O livro dos espíritos, Kardec alerta-nos sobre a incapacidade do homem de entender a plenitude infinita de Deus:


A inferioridade das faculdades do homem não lhe permite compreender a natureza íntima de Deus. Na infância da Humanidade, o homem o confunde muitas vezes com a criatura, cujas imperfeições lhe atribui; mas, à medida que nele se desenvolve o senso moral, seu pensamento penetra melhor no âmago das coisas; então ele faz da Divindade uma ideia mais justa e mais conforme à sã razão, embora sempre incompleta.7


Por isso, avançamos nas descobertas e nos estudos das várias ciências e religiões utilizadas pelo homem, mas ainda nos colocamos num campo de vulgaridades, incapazes de valorizar as riquezas espirituais que nos cercam. O Espírito André Luiz transmite, em um de seus livros, a palavra sensata de Alexandre, instrutor devotado, em uma sessão de estudos mediúnicos, que traz apreciações interessantes sobre as concepções existentes a respeito da obra divina:


[...] Desde o primeiro dia de razão na mente humana, a ideia de Deus criou princípios religiosos, sugerindo-nos as regras de bem-viver. Contudo, à medida que se refinam conhecimentos intelectuais, parece que há menor respeito no homem para com as dádivas sagradas. [...]8


Peçamos a Deus a força necessária para vencermos a nós mesmos, conforme a oração dominical, ensinada por Jesus, ao rogar sinceramente: “E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal”. (Mateus, 6:13; Lucas, 11:4.)


Fonte- REVISTA REFORMADOR DE JANEIRO/2013


1 XAVIER, Francisco C. Fonte viva. Pelo Espírito Emmanuel. 3. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Cap. 110.


2 KARDEC, Allan. A gênese. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Cap. 15, it. 53, p. 438.


3 ______. O livro dos espíritos. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Q. 712.


4 ______. ______. Q. 872.


5 ______. O céu e o inferno. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. Pt. 2, cap. 6, it. Jacques Latour, p. 455.


6 XAVIER, Francisco C. Boa nova. 3. ed. 5. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2010. Cap. 21.


7 KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Trad. Evandro Noleto Bezerra. Comentário de Allan Kardec à q. 11.


8 XAVIER, Francisco C. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. 3. ed. especial. 3. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2010. Cap. 4, p. 41.


  

 

Texto original em: http://auxiliofraternidade.com.br/artigovw.php?cod=91

© 2005-2017 - Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade