Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí-RS [Criação do Site - 05/01/2005] - [Última Atualização - 23/10/2017]

Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí/RS
www.auxiliofraternidade.com.br


Artigos


Reconhece-se o bem pelas suas obras


Jorge Leite de Oliveira

No capítulo XVII, item 4, de O Evangelho Segundo o Espiritismo, edição FEB, encontramos uma frase de Kardec muito citada nas palestras espíritas: "Reconhece-se

o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más".

Nesse mesmo capítulo, item 1, Kardec cita os versículos 44, 46 a 48, do capítulo 5, do Evangelho de Mateus, com a recomendação de Jesus para amarmos os nossos inimigos, fazermos o bem aos que nos odeiam e orarmos pelos que nos perseguem e caluniam. Pois se amarmos apenas os que nos amam e se saudarmos somente os nossos irmãos estaremos fazendo o mesmo que os publicanos e pagãos já faziam. E termina Jesus: "– Sede, pois, vós outros, perfeitos como perfeito é o vosso Pai celestial" (entenda-se aqui a perfeição relativa, ou da caridade ampla, que abrange todas as virtudes).

Exemplo: ao tomar café da manhã com a família, sua filha derrama café em sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isso, mas sua ação, em seguida, pode provocar uma reação em cadeia.

Primeira hipótese: Você briga com sua filha e ela chora, critica sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa e começa uma discussão. Você fica estressado e troca a camisa. Sua filha continua chorando e perde o ônibus escolar. Sua esposa vai para o trabalho chateada. Você tem que levar sua filha de carro para a escola. Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado. Discute com o guarda e perde mais 15 minutos. Quando chega à escola, sua filha entra e não se despede de você. Ao chegar atrasado ao escritório, percebe que esqueceu sua pasta. Ansioso para o dia acabar, quando chega a casa, sua esposa e filha estão aborrecidas com você. Tudo isso por causa de sua reação ao café derramado na camisa.

Segunda hipótese: o café cai na sua camisa e você diz, gentilmente, à filha: – Não fique triste, acidentes acontecem. Troca de camisa, dá um beijo em sua esposa e na filha e, antes de sair de carro para o escritório, vê a filha, ao longe, pegando o ônibus e lhe acenando adeus com uma das mãos.

A situação foi a mesma, mas sua reação pode determinar se seu dia será bom ou ruim.

Segundo Kardec, o homem de bem:

• cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade em sua maior pureza, consulta sua consciência para saber se violou essa lei, se fez todo o bem que podia;

• tem fé na bondade, na justiça e na sabedoria de Deus e se submete à sua Vontade;

• tem fé no futuro, colocando os bens espirituais acima dos temporais;

• aceita as dificuldades da vida como provas ou expiações;

• faz o bem pelo bem, retribui o mal com o bem e sacrifica seus interesses à justiça;

• pensa primeiro nos outros antes de pensar em si mesmo e faz o bem com satisfação; o egoísta, ao contrário, calcula as vantagens e os prejuízos de sua ação;

• vê todas as pessoas como irmãos;

• respeita as crenças alheias;

• não alimenta ódio nem desejo de vingança;

• perdoa e esquece as ofensas;

• é tolerante com as fraquezas alheias, pois sabe que precisa de tolerância para com as suas;

• não comenta os defeitos alheios, mas se obrigado a isso, procura ver o lado bom das pessoas;

• estuda as próprias imperfeições e trabalha incessantemente para corrigi-las;

• é modesto com as próprias qualidades e procura destacar as dos outros;

• usa os bens que possui sem vaidade e com consciência;

• trata com respeito seus superiores, e com bondade e simplicidade seus subordinados;

• respeita todos os direitos naturais do próximo como deseja que sejam respeitados os seus.

Conclui Kardec que não ficam assim enumeradas todas as qualidades do homem de bem, mas, quem se esforçar em praticá-las encontra-se no caminho que conduz a todas as demais qualidades.

Em seguida, tratando sobre os bons espíritas, ele informa que, bem compreendido e bem sentido, o Espiritismo leva-nos à condição de homem de bem. "[...] O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam."

Infelizmente, muitas pessoas acham que a moral espírita ou cristã se aplica às outras pessoas e não a si próprias. A Doutrina Espírita é muito clara, não necessita de uma inteligência fora do comum para praticá-la. Prova disso é que muitas pessoas sem instrução compreendem perfeitamente o Espiritismo, enquanto que outras, mesmo possuindo muito estudo, não o aceitam. O mesmo ocorreu com os apóstolos de Jesus e os cristãos... Quanto mais espiritualizada, mais facilmente a pessoa compreende as mensagens da vida espiritual... É preciso, pois, domínio sobre a matéria... Daí a conclusão de Allan Kardec, citada na introdução: "Reconhece-se o verdadeiro espírita [...]".

Quando percebermos e pusermos em prática os amoráveis conselhos do Mestre Divino, certamente reconheceremos as vantagens de vivermos em harmonia com o nosso próximo. Em O Livro dos Espíritos, temos algumas informações fundamentais para uma vida melhor. Uma delas é a de que a fonte de nossos sofrimentos se baseia em dois sentimentos: egoísmo e orgulho. A outra é a de que uma só coisa é necessária para vivermos bem: devotamento ao próximo, ou seja, vivenciar o amor na sua mais alta expressão.

Assim, pelo devotamento e abnegação, dizem os bons Espíritos, estaremos pondo em prática a mais excelsa das virtudes: a Caridade. Quando entendermos isso, estaremos no caminho que nos tornará homens e mulheres bons.

Fonte: Revista Reformador / Junho 2010

 

Texto original em: http://auxiliofraternidade.com.br/artigovw.php?cod=45

© 2005-2017 - Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade