Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí-RS [Criação do Site - 05/01/2005] - [Última Atualização - 22/10/2017]

Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí/RS
www.auxiliofraternidade.com.br


Artigos


O Transe Mediúnico.


Conceito.


Etimologicamente, transe traz o significado de crise, de momento crítico. Para a Medicina, é um estado similar ao do sono, mas com limitado contato sensitivo e motor.1 A Psicologia, explica que é o transe assemelha-se ao sono, mas, por ocorrer alteração da consciência, há reduzida sensibilidade a estímulos, perda ou alteração do conhecimento do que sucede à volta, substituição da atividade voluntária pela automática [involuntária].2


O transe mediúnico é considerado como “[...] um estado especial, entre a vigília e o sono, que de alguma sorte abre as portas da subconsciência [...].”3 É também considerado um “[...] estado de baixa tensão psíquica [...], com estreitamento do campo de consciência e dissociação.”3


Recordemos que há fatos psíquicos que ocorrem automaticamente, caracterizados pela participação passiva (inconsciente/automática) do indivíduo. Trata-se de um estado de baixa tensão psíquica, detectados nos atos instintivos, nas manifestações dos e emoções. Quando há participação ativa (alta tensão), identificamos as operações intelectuais, o uso da vontade e a manifestação da atividade criadora.


O decréscimo da atividade mental (baixa tensão psíquica) conduz à passividade que é o caminho natural do transe, mediúnico ou não. A pessoa que encontra sob atividade intelectual funciona em regime de alta tensão psíquica, conhecida como estado de vigília. Já o médium é alguém que se torna passivo aos comandos do consciente, habitua-se a fazer mergulhos no consciente, por vontade própria ou por indução externa (Espírito comunicante, hipnose), a fim de que   se lhe amplie a percepção anímica.


O transe de qualquer modalidade (mediúnico, anímico, por hipnose ou decorrente de enfermidade) produz, necessariamente, algum grau de dissociação psíquica que se reflete no cérebro, em regiões específicas. Em certas manifestações mediúnicas e/ou anímicas, como no sonambulismo, o grau de dissociação mental é elevado, produzindo amnésia, parcial ou total, dos fatos ocorridos durante o transe.


Situação semelhante (de elevada dissociação) é também encontrada durante a hipnose, magnética ou obsessiva, por efeito de certos medicamentos (psicotrópicos, por exemplo) e em algumas enfermidades (coma diabético, entre outros).


Importa acrescentar que no transe mediúnico há ativação ou redução de metabólitos, requisitando assistência de benfeitores espirituais, a fim de que o veículo somático do médium não sofra prejuízos..


Há quem confunda, incorretamente, o transe com o sono. O sono é “[...] caracterizado por supressão da vigilância, desaceleração do metabolismo, relaxamento muscular, diminuição da atividade sensorial, suspensão das experiências conscientes [...], pela aparição concomitante do sonho.”4


Trata-se, portanto, de uma situação muito diferente de que ocorre no transe mediúnico, a despeito de existirem pontos semelhantes entre os dois fenômenos.


GRAUS DO TRANSE MEDIÚNICO


O transe pode ser superficial ou profundo e, entre um extremo e outro, há uma gradação infinita: são os transes parciais.


Transe superficial: não existe amnésia. O médium recorda todos os acontecimentos, colaborando na transmissão da mensagem do Espírito comunicante. No médium principiante costumam existir dúvidas se de fato ocorreu um transe mediúnico.5


Transe profundo: as recordações dos acontecimentos raramente chegam à consciência do médium. No entanto, em decorrência da prática mediúnica, é possível não ocorrer amnésia total, de forma que alguma coisa ainda pode ser lembrada.


É importante insistir que, mesmo no estado de transe muito profundo, o médium não perde totalmente a ligação com a consciência. Há lembrança subliminar porque o Espírito do médium está ligado ao corpo. Nessa situação, o médium é suscetível de sugestibilidade.


Nos transes profundos a passividade mediúnica é maior. Isso é claramente observado nos médiuns sonambúlicos psicofônicos. Nesta situação, o “[...] médium falante geralmente se exprime sem ter consciência do que diz e muitas vezes diz coisas completamente estranhas às suas idéias habituais, aos seus conhecimentos e, até, fora do alcance de sua inteligência. Embora se ache perfeitamente acordado e em estado normal [de transe], raramente guarda lembrança do que disse.”6


Transes parciais: representam gradações do estado do rebaixamento psíquico. Nos transes parciais, os médiuns recordam apenas alguns acontecimentos ou trechos da mensagem transmitida pelo comunicante espiritual.


Referências



  1. DICIONÁRIO MÉDICO ENCICLOPÉDICO TABER. Trad. Fernando Gomes do Nascimento. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000, p.1737.


  2. HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p. 2750.


  3. CERVIÑO, Jayme. Além do inconsciente. 5. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 1, item: O Transe, p. 17.


  4. HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p. 2608.


  5. CERVIÑO, Jayme. Além do inconsciente. 5. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. , item: Fases do transe, p. 20-22.


  6. KARDEC, Allan. O livro dos médiuns. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. 2 ed. 1 imp. Brasília: FEB, 2013. Cap. 14, item 166, p. 175.


 

Texto original em: http://auxiliofraternidade.com.br/artigovw.php?cod=124

© 2005-2017 - Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade