Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí-RS [Criação do Site - 05/01/2005] - [Última Atualização - 23/10/2017]

Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade - Ijuí/RS
www.auxiliofraternidade.com.br


Artigos


Você pode fazer a diferença.


 




É possível observar a existência de pessoas que vivem na ociosidade, não se ocupando de nada útil, senão consigo mesmas. “São pobres seres dignos de compaixão, porquanto expiarão duramente sua voluntária inutilidade, começando-lhes muitas vezes, já neste mundo, o castigo, pelo aborrecimento e pelo desgosto que a vida lhes causa.” 1


Mas essa ociosidade pesa-lhes e cedo ou tarde sentirão necessidade de se tornarem úteis, pelo desejo de progredir. Por mais que seja muito mais fácil entregar-se ao comodismo, a ociosidade e a improdutividade geram um desconforto íntimo porque alertam a consciência para a necessidade de produzir.


Como vivemos em sociedade, relacionando-nos com outras pessoas, somos partes integrantes de um todo que só pode evoluir se cada um fizer a sua parte. Para isso, é imprescindível observarmos nossos deveres. “O dever é a obrigação moral da criatura para consigo mesma, primeiro, e, em seguida, para com os outros.” 2


Seres sociais que somos, temos inúmeros deveres perante os outros, a natureza e a nós mesmos. Porém, em nosso mundo ainda de escala evolutiva inferior, aqueles que conseguem cumprir seus deveres já se diferem da maioria. Podemos escolher: ou ficamos no simples cumprimento dos nossos deveres, ou nos esforçamos por fazer mais.


Passamos a fazer a diferença quando assumimos posturas coerentes com nossa forma de pensar. No momento de transição entre a infância a vida adulta, temos a necessidade de sermos aceitos em um determinado grupo e para isso acabamos agindo, muitas vezes, de forma que não nos é peculiar. Essas experiências são necessárias para que possamos nos conhecer e moldar a nossa personalidade. Quando adultos já deveríamos estar com essa posição formada, porém o que se observa é que existem adultos inseguros, como o adolescente que necessita da aprovação alheia. Também há aqueles que bebem porque todos bebem, que se drogam porque seus amigos usam drogas, que se corrompem, que se prostituem porque há os que procedem desse modo, assim, vivem a vida encontrando nas falhas alheias desculpas para suas próprias falhas.


Jesus nos ensinou a amar o próximo como a nós mesmos, a fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem. Se aprendermos a nos amar, começaremos a refletir melhor sobre nossas ações, o que nos dará mais segurança para assumir aquilo que realmente somos e condições de amar o nosso próximo como ele é. Acabamos, por conseqüência, cumprindo esses pequenos deveres, e fazendo ainda mais do que isso, porque nos colocamos no lugar do outro, não provocando a ele o que não gostaríamos que fizesse a nós.


Como todas as nossas atitudes e pensamentos influenciam os outros de alguma forma, a mudança para melhor deve começar em nós mesmos. Não podemos, por exemplo, encaminhar nossos filhos para uma orientação religiosa, se não trazemos a fé dentro de nós. Não podemos ensinar-lhes expressões de cortesia e bons modos se não temos o hábito de utilizá-las no nosso dia-a-dia.


Não basta que tenhamos o conhecimento das leis que regem a vida se não houver a parte mais importante que é a nossa transformação para melhor. O conhecimento só é válido quando, como na parábola do semeador3, for como as sementes que caíram em terra fértil e assim produziram bons frutos. Só assim teremos condições de auxiliar também as outras sementes a ter oportunidade de crescer e frutificar.


 


Carina Streda

1KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 84 ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2003. Questão 574.

2 ______. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 99 ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 1988. Cap. XVII, item 7.

3 ______. Idem. Cap. XVII, item 5     Fonte- www.searadomestre.com.br


 

Texto original em: http://auxiliofraternidade.com.br/artigovw.php?cod=117

© 2005-2017 - Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade